[Talento NES] Moradora do Nordeste de Amaralina é finalista em concurso de poesia

“Se eu gosto de poesia? Gosto de gente, bichos, plantas, lugares, chocolate, vinho, papos amenos, amizade, amor. Acho que a poesia está contida nisso tudo”. A celebre frase do poeta e escritor Carlos Drummond Andrade resume precisamente o infindável universo da poesia e a aguçada sensibilidade do poeta. Assim é a poetisa Carine Anjos Oliveira, 28 anos, moradora do Nordeste de Amaralina.

Nascida em Jequié, no interior da Bahia, Carine veio para a capital ainda nas primeiras semanas de vida. Sempre morou no bairro do Nordeste de Amaralina. Gastrônoma de formação, a garota encontrou nas artes a forma de dar vazão às suas inquietações:

“Sou formada em gastronomia e comecei a fazer teatro através do antigo grupo Jovens em Senna, a partir daí toda veia artista veio a tona. A poesia é presente desde muito cedo. Sempre tive muito a dizer e não acreditava que as pessoas queriam escutar uma criança/adolescente aí a escrita foi o lugar onde me encontrei e pude deixar fluir”, conta Carine.

Negra, lésbica, além de nascida e criada na periferia, Carine testemunhou desde cedo as injustiças e discrepâncias sociais. A violência, o racismo e a homofobia permeiam o seu imaginário e é através da escrita que ela mostra ao mundo sua indignação:

“A minha inspiração vem das ruas, vem do dia a dia, desse lugar que é violento, confuso, movimentado e acolhedor ao ver o sorriso de um amigo, um olhar de quem nos apoia, uma frase bonita colada no poste. A minha inspiração vem da luta LGBTQIA+, vem da causa negra, da luta feminista e desse ser mulher”, explica.

“Para escrever eu bebo de muitas fontes entre a música e a poesia, acredito que todo compositor é um poeta também. Minhas principais referências são Elisa Lucinda, Abdias Nascimento, Conceição Evaristo, Bia Ferreira, Luedj, Emicida e outros”, completa a artista.

Concurso – Carine é atualmente finalista do concurso batizada de “Pandemia Poética”. É com a poesia “Diariamente”, que o Nordeste de Amaralina será representado no certame.

Dirariamente fala sobre sair para trabalhar, se afundar numa cadeira, ouvir pessoas gritando, sair do trabalho e pegar um ônibus cheio pensando na vida e fazendo planos. Essa poesia fala sobre os trabalhadores normalmente periféricos que saem de madrugada pra trabalhar pra que a gente possa chegar onde precisa e fazer nossa rotina acontecer.Fala sobre se sentir cheio de tudo enquanto o mundo parece vazio de sentimento”, ressalta Carine.

Para votar e ajudar Carine a vencer o concurso é só clicar e curtir o link:

https://www.instagram.com/tv/CBti8RAFwpD/?igshid=var4mjsr3vwi

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU