Rodrigo Coelho vê com desconfiança medidas restritivas no Nordeste: “atende os grandes e os pequenos ficam sem acolhida”.

O advogado Rodrigo Coelho afirmou ver com preocupação a situação dos comerciantes e microempresários do Nordeste de Amaralina. Uma reportagem publicada pelo Nordesteusou revelou a difícil situação em que os mesmos estão durante a pandemia e após mais de um mês de medidas restritivas. Enquanto que o Nordeste é alvo das ações desde o dia 8 de julho, a Santa Cruz, após ter sido objeto das atividades durante mais de 20 dias, entre os meses de junho e julho, voltou a ser palco das medidas na última sexta-feira (7).

Coelho afirmou ver com desconfiança os critérios utilizados pela Prefeitura para aplicação das restrições, sobretudo nos bairros periféricos, e cobrou da gestão municipal medidas de amparo aos pequenos empresários.

“Tenho chamado à atenção que a Prefeitura de Salvador iniciou a segunda fase de retomada as atividades econômicas com o a reabertura dos bares, restaurantes e shoppings, no entanto alguns bairros ainda são palco de medidas de restrição, a exemplo do Nordeste e Santa Cruz. Tenho me preocupado, principalmente, com o pequeno comerciante. Enquanto que os shoppings e os grandes estabelecimentos estão abertos, os pequenos comerciantes estão sofrendo. Precisamos pensar formas de atender a necessidade do isolamento social, mas também temos que evitar que os pequenos comerciantes passem fome. Não pode ser dessa forma: atende os grandes e os pequenos ficam sem acolhida”, disse o advogado.

Comerciantes – O Nordeste é alvo das ações desde o dia 8 de julho, enquanto que a Santa Cruz, após ter sido objeto das atividades durante mais de 20 dias, entre os meses de junho e julho, voltou a ser palco das medidas na última sexta-feira (7).

De acordo com comerciantes ouvidos pela reportagem NES muitos são casos de estabelecimentos que devem fechar as portas de forma definitiva. “Sofremos um prejuízo incalculável, não somente eu como todos comerciantes do bairro. Talvez, alguns ou muitos não consigam mais reabrir o seu comércio por conta da decisão do senhor prefeito ACM Neto. A única coisa que sabemos é que estamos com um prejuízo muito grande. Muitos já estão passando fome e entregando as propriedades para os seus donos, pois não têm condições de pagar aluguel”, disse Milton Gonçalves, que é proprietário de um restaurante no final de linha do bairro do Nordeste.

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU