Moradores do Nordeste criticam desativação da linha “Nordeste / Lobato”

Os usuários do transporte público do Complexo Nordeste de Amaralina parecem não ter sossego . Após a polêmica desativação de linhas de ônibus no bairro da Santa Cruz, dessa vez a vítima foram aqueles que utilizam a linha “Nordeste / Lobato Joanes”. O mais incrível, diga-se de passagem, é que a retirada acontece sempre na calada da noite, sem qualquer tipo de aviso ou consulta aos passageiros.

“Falta de respeito com nós moradores do Nordeste. A Prefeitura tirou a linha Lobato e não avisou a ninguém”, questionou um morador.

“Cadê a linha Joanes Lobato? Prefeitura tirou e não avisou a ninguém”, questionou outro passageiro.

Problemas – Mesmo com o alto valor da passagem, consideradas uma das mais caras do Brasil, os usuários de transporte coletivo ainda convivem com outros problemas. Além dos constantes atrasos, lotação, redução de linhas e frotas. Para a enfermeira, *Marcelia Santos, os atrasos dos coletivos se tornaram um motivo de estresse diário.

“Os ônibus não possuem um horário permanente. Não só eu como muitos trabalhadores que precisam pegar pela manhã sofrem. Eu utilizo a linha Vila Rui Barbosa todos as manhãs, um dia sai ás 5:00, outro dia bem antes, já noutros, 5:40. Sem ordem. Quem chegar para pegar ele no horário acaba perdendo, pois passou antes do horário, ou então, passam três Lapa/Barroquinha. O problema se intensifica aos finais de semana. Os ônibus não passam, recorro aos aplicativos de transportes e acabo pagando um valor mais alto para não correr o risco de não bater o ponto no horário do serviço”, desabafa a usuária dos coletivos do final de linha do Vale das Pedrinhas.

Segundo *Léo Medeiros pegar o Santa Cruz-Calcada-Bomfim se tornou sinônimo de aglomeração liberada. “Fico horas esperando o ônibus no ponto da Igreja Universal, Avenida ACM, se não bastasse à demora, vem lotado. Espero o próximo, mas continua cheio. Infelizmente não tenho alternativa se não por minha vida e os dos meus em risco. Não existe isolamento social para quem necessita usar os coletivos”, lamenta o lojista, e morador da rua 11 de Novembro, Santa Cruz.

O ajudante de cozinha *Adriano Araújo reclama das incertezas com relação aos itinerários.  “Depois de um dia cheio. Fiquei esperando e nada de aparecer. Fiquei nesse impasse se passa ou não, sem certeza, mudei o caminho. Uma frota que não tenho certeza que se passa é o Nordeste-Lobato, e o Nordeste-Campo Grande R1 e R2, nada de aparecer no Rio Vermelho, à alternativa foi mudar o percurso”, relata sobre as linhas que compõem as frotas do Nordeste. 

Esses são apenas algumas das inúmeras reclamações denunciadas pelos desfrutadores dos coletivos dos finais de linhas do Complexo do Nordeste de Amaralina. Volta e meia os moradores encontram no portal uma caixa de lamentações. È através delas que os usuários encontram forças para cobrar um serviço condizente com o preço da passagem que paga. Entra ano e sai ano, e a contrariedade permanece sem solução. Até quando viveremos esse desrespeito?

O Nordesteusou tentou contato com a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Mobilidade, mas não obteve retorno.

*Colaborou Tiago Queiróz

COMPARTILHAR
Luis Lago
Amante da Literatura, apaixonado pelas Letras. Discente de Letras Vernáculas e Língua Inglesa, poeta, escritor , blogueiro, professor e Repórter do site NES.