Mercado Ponto Certo, na Santa Cruz, é vítima de Fake News

Com o número de casos de pessoas infectadas por coronavírus aumentando a cada dia, a tensão e o medo de ser o próximo contaminado tem crescido. Uma tosse mais forte ou uma visita ao médico muitas vezes são interpretadas por leigos como sendo alguém com a Covid-19.
Dessa forma, em vez de contribuir para o entendimento da pandemia, muitas pessoas espalham notícias falsas.

Na ultima quinta-feira (14), circulou através do WhatsApp um audio afirmando que o Mercado Ponto Certo, na Santa Cruz, estava funcionando normalmente depois de ter três funcionários infectados pelo novo coronavírus. Essa informação é mais uma Fake News. O dono do estabelecimento, o senhor Erivan, procurou a nossa equipe para falar sobre o caso e pedir ajuda ao NES para divulgar a informação correta.

“Os três funcionários foram diagnosticados com Chikungunya, assim que os primeiros sintomas apareceram afastamos eles para que logo pudesse se recuperar. Infelizmente, pessoas maldosas espalharam um áudio dizendo que eles estavam com coronavírus. Em nosso estabelecimento estamos tomando todos os devidos cuidados com os nossos funcionários e com os nossos clientes para frear o avanço do vírus em nossa comunidade e continuar prestando serviço de qualidade” Disse Erivan.

Além da pandemia da COVID-19 os casos de Chikungunyia passam de 2 mil só neste ano na capital baiana.

Comparado ao ano passado, os casos de Chikungunya tiveram um aumento alarmante na capital baiana, de 741,5%. Isso significa que, neste ano, já foram registradas 2.188 ocorrências, enquanto em 2019 foram 260. Outras doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti também tiveram crescimento, como a Zika (407%) e a dengue (169,7%).

Ao considerar os mesmos períodos, até maio de 2019 e 2020, a subida nos casos foi de 25 para 281, respectivamente. A região entre o Rio Vermelho e a Pituba é a mais afetada.

Com o isolamento social, ocorreram mudanças na rotina dos baianos. A atenção para outras doenças, por exemplo, foi tomada pela preocupação com o novo coronavírus (Covid-19) e os cuidados foram se afrouxando, segundo especialistas.

Outro ponto importante é a impossibilidade de os agentes de saúde entrarem nas casas das pessoas. Conforme as medidas de prevenção da Covid-19, algumas ações deixaram de ocorrer, como a eliminação dos focos do mosquito nas residências pelos profissionais de saúde.

Fonte: Assufba