[Conexão Rio de Janeiro ] Adolescente de 14 anos baleado por policiais dentro de casa é encontrado morto

João Pedro foi levado pela polícia depois dos disparos e estava desaparecido há mais de 12 horas. Familiares encontraram o corpo no IML

Por Revista Forum

Familiares do adolescente de 14 anos que foi atingido na segunda-feira (18) por um tiro na barriga, enquanto cumpria o isolamento social em casa, encontraram o corpo do jovem na manhã desta terça-feira (19) no Instituto Médico Legal (IML) de São Gonçalo, no Rio de Janeiro.

A informação foi confirmada pelo ativista e jornalista do Voz das Comunidades, Rene Silva. “Estou em contato com a família do João Pedro e os pais deles acabaram de ficar sabendo que o corpo dele se encontra no IML. O adolescente de 14 anos estava dentro de casa brincando com primos e amigos. Até quando, estado assassino segue matando negros e favelados?”, questionou.

De acordo com o primo do jovem, Daniel Blaz, que iniciou uma campanha no Twitter para pressionar as autoridades em busca de João Pedro, o disparo foi feito por policiais e ocorreu quando traficantes entraram na casa do garoto, durante uma fuga.

Após ser atingido, João Pedro foi levado pela polícia em um helicóptero sem autorização dos familiares e sem acompanhante. O primo do jovem também relata que, durante todo o processo de busca, não foi encontrado registro da entrada do adolescente em nenhum hospital. A polícia, portanto, não prestou socorro ao garoto.

Daniel alertou nas redes que a polícia também criou falsas provas no quintal da casa para incriminar João Pedro, mas não especificou quais seriam. Ele ressaltou ainda que o garoto era evangélico, fazia parte do grupo jovem da igreja de sua comunidade e não tinha envolvimento com o crime.

COMPARTILHAR
Voz das Comunidades
No ano de 2005, época em que a mídia tradicional nem se quer mencionava o que existe de bom nas favelas e os verdadeiros problemas sociais que os moradores enfrentam no dia-a-dia, foi quando um menino de 11 anos de idade, aluno de uma escola municipal, decidiu criar um jornal pra comunidade do Morro do Adeus, uma das 13 que formam o Conjunto de Favelas do Alemão, pra mostrar tudo o que acontecia na sua comunidade.