Comerciantes do ramo de alimento capricham durante a crise; população do Nordeste ganha em diversidade

Uma verdadeira lição de persistência e criatividade. Assim podemos classificar a maneira encontrada por parte da população do Complexo Nordeste de Amaralina para driblar a crise causada pelo coronavírus. O Nordesteusou vem mostrando exemplos de comerciantes do ramo de alimento que conseguiram se superar durante o período da pandemia e através da criatividade vem conseguindo levar à mesa de casa o pão de cada dia. Yakissoba, caldos, salgados, tortas e os mais variados tipos pratos da culinária baiana, brasileira e até internacional. No Nordeste de Amaralina o que não falta é opção. Nessa reportagem, vamos contar as inciativas de Juvenilson e Lizandra.

Juvenilson Pereira dos Anjos, 42 anos, mora no Vale das Pedrinhas. Há 20 anos trabalha como chef de cozinha tendo passado por diversos restaurantes da cidade. Devido aos elogios recebidos nos diversos tipos de pirão criado por ele, resolveu, em fevereiro desse ano, montar o seu próprio negócio: o “Juvenilson Gourmet”.

“Decidi trabalhar para mim mesmo e colocar um produto de qualidade e com um preço acessível .Eu comecei no dia 01 de fevereiro e ainda não estava na pandemia. Comecei devagarzinho e o movimento foi melhorando… O pessoal foi conhecendo e passando para outras pessoas. Com a pandemia aproveitei para fazer promoções e ir divulgando no boca a boca. A coisa vem melhorando bastante”. conta o rapaz que é divorciado e pai de uma menina de 15 anos.

“Eu trabalho com quatro tipos de pirão. Tem pirão de aipim com carne do sol, frango, calabresa, camarão, fumeiro, batata palha, vinagrete, ervas finas…O preço varia entre R$10 e R$25. O que sai mais no Complexo é o de R$10, por ser um preço bom e bastante caprichado. O diferencial do nosso pirão é que é feito com bastante queijo e manteiga. A consistência é sensacional . Não parece mingau e sim um pirão de verdade. Outro segredo é a minha experiência em gastronomia que eu faço com muito carinho e dedicação”, completa.

Os pedidos podem ser feitos, via delivery, através do Instagram @juvenilsongourmet ou pelo Whats App ZAP (71) 98842 – 2070 ou (71) 98520 – 8349

Em ramo diferente, porém com o mesmo objetivo de Juvenilson, Lizandra Araújo, 22 anos, moradora da Chapada resolveu unir o útil ao agradável. Apaixonado por brigadeiros, a jovem resolveu investir na guloseima para faturar. Surgiu assim a “Best Doceria”.

“No início era pra ter uma grana extra para comprar as minhas coisas, pois minha mãe não tem muitas condições. Mas, com o passar do tempo foi se tornando algo mais profissional e ano passado fiz um curso de empreendedorismo”, conta Lisandra que é estudante de Enfermagem.

“Comecei vendendo trufas e empadas, em 2017, entrei na faculdade, mas acabei parando. Como eu amo doces e brigadeiro é o meu vício resolvi apostar nisso. Com o passar do tempo fui aprendendo novos sabores. Hoje, eu trabalho com brigadeiro, beijinho, uva coberta, paçoca, leite ninho, chocolate branco, prestígio e casadinho”, explica

Os interessados podem fazer o pedido através do perfil oficial da empresa no Instagram: @bestdoceria

“Os preços são acessíveis e estamos sempre procurando agradar ao cliente”, ressalta a empresária.

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU