Com 70% dos leitos de UTI ocupados na Bahia, subsecretária de saúde faz alerta: ‘Ficar em casa ajuda a evitar óbitos’

G1 Bahia

A Bahia tem 70% dos leitos de UTI destinados a pacientes com o novo coronavírus ocupados, de acordo com números da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab).

Segundo o boletim mais recente divulgado pela pasta, no início da tarde desta segunda-feira (20), a Bahia apresenta 1.341 casos da COVID-19, com 46 mortes.

A taxa de crescimento está abaixo dos 15%, de modo que Tereza Paim, subsecretaria de saúde do estado, considera o estado como um exemplo positivo de combate ao vírus no país.

“A Bahia ainda tem sido um exemplo positivo, isso é muito importante. A despeito do vírus ser exponencial, nós vínhamos de uma curva de 30%, hoje estamos abaixo dos 15%. É muito importante que a população saiba que é uma contribuição dela”, disse.

Ao todo, são 158 pacientes internados no estado, sendo que 64 estão em leitos de UTI.

Na avaliação de Tereza Paim, é importante que a população permaneça em casa para reduzir o número de óbitos.

“Hoje, conseguimos ter uma taxa de ocupação em torno de 70%, mas se toda a população resolve sair de casa nós não teremos leitos de UTI. Ficar em casa ajuda a evitar óbitos. O que antes a gente fazia de prevenção, de higiene com as mãos, agora com a máscara, que é uma barreira, nós precisamos continuar mantendo para evitar óbitos”, afirmou.

Ainda reforçando a necessidade de manter o isolamento social, a subsecretaria de Saúde afirma que a taxa de mortalidade entre os pacientes que estão na UTI pode chegar a 50%.

“Entendendo que a mortalidade desses 5% que precisam estar internados [nos leitos de UTI], e a gente chega a 3,4% de mortalidade, muitas vezes a gente chega a 50% de mortos. Se eu tenho uma UTI com 10 pacientes internados, eu posso ter cinco óbitos”, disse.

Além disso, o tempo de permanência desse paciente é alto. Ele leva de 15 a 20 dias internados na UTI.

COMPARTILHAR
Redação NES
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.