Bahia é o 2º com mais mortes negras em ações policias segundo pesquisa.

Estudo aponta ainda que a maioria das vítimas mora em bairros periféricos

A Bahia é segundo estado do Brasil que mais mata em operações policiais, atrás somente do Rio de Janeiro e à frente inclusive de São Paulo, estado mais populoso do país. A informação é da pesquisa realizada pela Rede de Observatórios da Segurança do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC), que traz dados preocupantes em relação à atuação da polícia baiana e o racismo estrutural na sociedade brasileira. Segundo o estudo, 32% das ações da polícia baiana resultam em mortos e feridos e metade das chacinas que aconteceram no último ano foi por ocorrência policial. 

Detalhamento das ações policiais feita no levatamento — Foto: Rede de Observatórios

Em entrevista ao NES, o advogado e mestre em Estado, Governo e Políticas Públicas, Rodrigo Coelho falou sobre o assunto:

“As pesquisas confirmam o que estamos falando há tanto tempo: essa policia genocida, despreparada que acha que na base da bala resolve todos os problemas. Não se trata de defender bandido, mas não temos pena de morte oficialmente. A pena de morte aqui é imposta pelas ações perpetradas pela polícia na periferia.”

Racismo silenciado

O ponto central para a análises de todos os eventos coletados pela Rede foi o racismo, que é o foco do relatório. Os pesquisadores constataram um “impressionante silêncio” sobre o tema na mídia: apenas 50 dos 12.599 episódios analisados tiveram relação com o racismo e injúria racial, o que representa 0,4% da amostra da pesquisa. “A gente buscou capturar os eventos que são pouco monitorados pelas instituições que trabalham com segurança e com o que não é dito na cobertura da mídia”, explica o historiador Eduardo Ribeiro, que coordena o Observatório de Segurança da Bahia.

Em entrevista para o G1 a Luciene Santana, que é formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), faz mestrado no pós-afro e trabalha como pesquisadora na Iniciativa Negra, o alto número de casos registrados faz a organização questionar como é realizada a segurança pública na Bahia, como acontecem com as operações e qual o nível de índice de violência envolvido nas ações.

“O número de mortes é um pouco da ponta do iceberg do problema, que ele desmembra em diversas outras coisas”, disse a pesquisadora, que é responsável pelo monitoramento dos dados.

Segundo Luciene Santana, o desafio da Iniciativa Negra é descobrir como o racismo estaria visível nesses dados.

“Uma das coisas que nós fazemos nesses indicadores são os cruzamentos com outras informações que aparecem nas notícias. Um exemplo delas é o indicador de quantas pessoas negras se envolveram nessas operações ou até mesmo o índice de feminicídio”.

COMPARTILHAR
Redação NES
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.