Acontece nesse domingo (27) a VI Caminha do Povo de Santo do Nordeste de Amaralina

“Obanixé, axé, Obanixé, Xangô... Vem, vou te mostrar o que não passa na tv... a cultura do Nordeste é exemplo de viver... É odará, é bonito de se ver... o Nordeste na avenida... com o afoxé Bamboxé”. (Nordestino Bonito – Afoxé Bamboxé)

Foto Reprodução NORDESTeuSOU

É nesse domingo, 27 de maio, às 8h, com saída do final de linha, a 6ª edição da Caminhada do Povo de Santo do Nordeste de Amaralina. O evento tem como tema central a luta contra a intolerância religiosa. O cortejo percorre as ruas do bairro e culmina com a entrega do presente na praia de Amaralina. Estarão presentes representantes dos terreiros do bairro e de outras localidades. Como já é tradição, o comando da festa fica por conta do Afoxé Bamboxé.

De acordo com Rodrigo Coelho, um dos membros da coordenação do encontro, a ideia da caminhada surgiu da necessidade de demonstrar o papel das religiões de matriz africana dentro do Nordeste de Amaralina e mostrar a cultura que é o candomblé, que para ele vai muito além de uma religião. “É uma cultura que representa toda história de um povo. A intenção é conseguir cada vez mais reunir o maior número de terreiros do Nordeste para que possamos fazer um evento cada vez maior e mais bonito”, explica Rodrigo. Coelho ressalta também que a receptividade por parte da comunidade tem sido cada vez maior. Essa ano, inclusive, a organização do evento disponibilizará condução para que adeptos de outros bairros possam vir prestigiar a caminhada aqui do Nordeste. “A cada ano estamos incrementando a forma de organizar a caminhada para que possamos agregar o maior número de terreiros. A ideia é mostrar o candomblé para além do Nordeste. Sairá condução de Cajazeiras, Cidade Baixa e Lauro de Freitas. O objetivo é manter a história e tradição do nosso povo cada vez mais viva”, salienta. Questionado sobre apoio do poder à empreitada da comunidade de santo, Rodrigo é enfático: “Nós recebemos do Governo do Estado apoio para a estrutura da caminhada. O trio que conduzirá a caminhada foi cedido pela Secult (Secretaria de Cultura), a Sepromi (Secretaria de Promoção da Igualdade Racial) viabilizou o material e a Cese (Coordenadoria Ecumênica de Serviço) nos ajuda com apoio financeiro. Também temos que ressaltar o apoio da Koinonia, do Shop das Aves e do Nordesteusou”.

A CAMINHADA – A primeira edição da Caminhada do Povo de Santo do Nordeste de Amaralina ocorreu em 2011. Almir Odun Ará, vocalista do Bamboxé e um dos principais articuladores da primeira edição do evento, explica que certamente já existia no imaginário das pessoas, sobretudo, dos mais velhos a idéia de se realizar algo nesse sentido, mas que a inciativa, de fato, partiu do babalorixá João Luis e do próprio Bamboxé. “Havia uma discussão, na ocasião da formação do Afoxé Bamboxé, sobre essa questão da unidade no candomblé, da desunião… Mas efetivamente, eu me lembro, que foi o babalorixá João Luis quem levantou essa tese que deveriamos organizar uma caminhada levando todo mundo. Reunimos o povo, fomos aos terreiros e colocamos na rua. Montamos a primeira caminhada do povo de santo com o título Gangazumba. A organização contou com a participação do Bamboxê, do Nordesteusou e dentre outras pessoas que também abraçaram a idéia. Fomos para cima e colocamos todos os pais e mães de santo na rua. Fizemos uma caminhada grande, bonita. Isso foi um marco nunca feito que é colocar o povo de matriz africana na rua”, lembra Almir.

Rosiclei Santana Nascimento, mais conhecida como “Rosinha de Omolu” ou “Mãe Rosinha”, é a ialorixá responsável pela parte litúrgica da caminhada. A iyá destaca a união como um dos pontos mais importantes do encontro. Outra questão levantada por ela diz respeito à necessidade do povo de santo se reafirmar perante à sociedade: “A importância da caminhada é de unir o povo do axé do Nordeste, além de mostrar para toda a comunidade a nossa religião e a nossa cultura. Que nos respeitem mais… Teremos que lutar muito para vencer essa batalha”.

Tradicional participante da caminhada, desde à primeira edição, Rosimeire Alves ou “Mãe Rose de Nanã” do Ilê Axé Yá Dê é nascida e criada na Vasco da Gama, local onde também é situado o terreiro. Entretanto, seus laços com o Nordeste de Amaralina são de longa data. Sua mãe biológica, a ialorixá Gildete de Oxum era filha de santo de um antigo e conhecido babalorixá do bairro: Dofono de Ogum. Por sua vez, sua mãe de santo, Neuza de Ogum, hoje no Rio de Janeiro, também era do Nordeste, da mesma forma filha de Dofono, além de ser a ialorixá responsável pela “feitura” do santo de um dos idealizadores, se não o maior, da caminhada: Pai João Luis.
Rosimeire frequentou alguns terreiros do bairro, tais como: o do próprio João Luis (seu irmão de santo), de Mãe Sílvia (já falecida) e de Mãe Dulce (também já falecida), de Pai José Maria e de Mãe Juraci. “Fiquei sabendo da caminhada através da Ebomi Lia de Oxum (filha de santo de José Maria e irmã biológica de Mãe Juraci). Achei excelente. Os meninos muito comprometidos. A comunidade também muito interessada. Todo ano eu vou. Acho de fundamental importância para nossa religião, sobretudo, nos aspectos relacionados à preservação e união dentro do candomblé”, conta.

“VI Caminhada do Povo de Santo do Nordeste de Amaralina – Um Povo de resistência contra a intolerância religiosa”, diz a chamada do evento. Vista seu branco, enrole seu turbante, encha o seu espirito de paz e venha marchar contra a intolerância religiosa. Assim seja! Viva o povo de santo do Nordeste de Amaralina! Salve Olorum!

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU