[Um passeio pela África] Escola Municipal Teodoro Sampaio comemora semana da Consciência Negra

Evento aconteceu nos dias 20 e 21

Um mergulho pelo continente africano. Assim foi a programação realizada pela Escola Municipal Teodoro Sampaio em homenagem ao 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. O evento que aconteceu nos dias 20 e 21 mexeu efetivamente com toda a comunidade escolar. Não faltou empenho aos alunos e professores que não economizaram no quesito criatividade. Até um safári africano foi improvisado nas dependências da escola. Diversos outros elementos da cultura africana se espalharam pelos murais. Não faltou dança nem o tradicional desfile da beleza negra.

A diretora da instituição, professora Lurdinha Torres explicou que esse já tradicional evento que ocorre na escola durante o 20 de novembro, é também uma forma de homenagear o patrono da unidade: o engenheiro baiano e negro, Teodoro Sampaio. “Esse foi o melhor evento que a escola já viu nesses vinte e dois anos que tenho aqui. Na hora do desfile dos países africanos, quem abriu o desfile foi o próprio Teodoro Sampaio. O espírito de luz que veio nos agradecer à exaltação da sua cultura e à África. Eu até agora estou emocionada”, disse a diretora.

A coordenadora pedagógica, Valquíria Rodrigues explicou que é um evento interdisciplinar produzido em parceria com os alunos: “Um dos sonhos de toda a equipe da escola era justamente fazer esse passeio pela África fazendo um confronto entre a cultura africana e a brasileira, mostrando tudo aquilo o que eles trouxeram para enriquecer toda parte artística, folclórica e tudo o que eles influenciam em nossa cultura.  Os alunos participaram da ideia. Cada sala abraçou uma atividade representando um país que eles escolheram. Foi uma construção na realidade”.

O aluno do sétimo ano, João Vitor, 14 anos, definiu a experiência como “ótima” e emendou: “Eu já tinha participado de alguns eventos da consciência negra aqui na escola, mas esse ano eu mergulhei de cabeça. Quanto mais pesquisava sobre o assunto, mais me apaixonava. Será uma aprendizagem que levarei para o resto da minha vida, de me aceitar como eu sou, sobre minha cor e como eu serei sempre”. Questionado se já foi vítima de racismo, João afirmou: “ Já… Foi muito triste, mas resolvi deixar pra lá. Botei para frente, pois guardar mágoa não é bom”.

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU