[Talento NES] Conheça o DJ que se reinventou para viver seu sonho.

A vida não é fácil, para um jovem discriminado pela sociedade pelo seu tom de pele e morador de comunidade periférica.

Atualmente é comum ver pessoas trabalhando como “loucas” para sobreviver. Há quem trabalhe em mais de um local ou em até três turnos para tirar o seu sustento, pagar as contas, dar uma vida melhor aos filhos, coisa que não é nada fácil fazer com apenas um salário mínimo.

O que é atípico é alguém trabalhar tanto fazendo o que gosta, que é o caso do DJ Allan. Ele é um jovem negro, criado no Nordeste de Amaralina e educado por uma mulher que lutou muito para que os filhos seguissem o caminho do bem. A vida não é fácil, para um jovem discriminado pela sociedade pelo seu tom de pele e morador de comunidade periférica. Então a luta é dobrada para mostrar o seu talento.

Hoje, aos 32 anos, ele trabalha como porteiro e como DJ e fala que a vida é muito corrida e que não se arrepende das suas escolhas. “Há 7 anos atrás comecei a trabalhar como porteiro. Era algo que momentaneamente supria minhas necessidades básicas, mas ainda assim me via apertado financeiramente. Depois de 1 ano trabalhando, recebi a notícia que eu iria ser pai e me vi desesperado. Fiquei muito feliz. Mas com o passar dos dias fui percebendo que meu dinheiro mal dava pra meu sustento e da minha esposa, imagina com uma criança?”, desabafou Alan sobre esse momento de confusão que permeia a mente de muitos. O desespero e a tristeza tomaram conta da mente do jovem, pois não poderia viver a vida que ele sempre sonhou quando fosse pai.

Os dias se passaram e houve uma festa na empresa onde o pai do DJ trabalhava, e ele foi convidado. Segundo ele aquele dia foi o seu divisor de águas. “Minha paixão por música eletrônica nasceu nesse dia. Vi um DJ tocando e foi amor à primeira vista. Nunca passou pela minha cabeça ser DJ, mas nesse dia uma luz se acendeu em mim” falou o rapaz cheio de alegria.

A partir daí ele começou a estudar música, procurar conhecimentos, conversar com quem tem experiência na área, aos poucos comprando os materiais, até que então surgiu o DJ Allan. “Entre uma festa e outra foram surgindo indicações, muitas pessoas começaram a falar do meu trabalho e fui me destacando. Continuei aprendendo mais, buscando cada vez mais conhecimento na área, me dediquei muito. Minha maior propaganda foi o famoso boca a boca (rsrs) e assim espaços de festa me descobriram e foram me contratando para trabalhar em grandes eventos” disse o DJ orgulhoso do seu trabalho.

De acordo com Alan, a vida é corrida. Ele continua trabalhando como porteiro, e atuando como DJ e mal sobra tempo, mas destaca o momento com a família como “sagrado”: “Amo o meu trabalho, é prazeroso demais fazer o que a gente gosta. Me garante uma renda legal, mas a correria é grande, não tenho tempo nem de ficar doente, graças a Deus. Porém com o dinheiro que ganho posso pagar uma escola de qualidade para minha filha, pude realizar o sonho dela de fazer ballet, coisas que eu não conseguia fazer com o trabalho de porteiro. Mas com toda essa correria sempre tiro um tempo que para passar com a minha esposa e minha filha e não tem preço. As vezes a ganância sobe para cabeça do homem que só pensa em ganhar dinheiro e esquece as coisas importantes da vida. Por isso eu sempre equilibro os trabalhos, para ter um tempo de curtir as mulheres de minha vida” encerrou o DJ emocionado.