Rei da Nigéria visita a Bahia para torná-la capital yorubá das Américas.

O rei tem um relevante papel cultural e espiritual pelo fato de ser o detentor legítimo do poder da coroa de Odùdúwà.

Considerado o maior representante dos yorubás no mundo, o rei de Ifé, Adeyeye Enitan Babatunde Ogunwusi Ojaja II, descendente direto de Odùdúwà, virá a Salvador para estreitar laços com religiosos de matrizes africanas.

O rei tem um relevante papel cultural e espiritual pelo fato de ser o detentor legítimo do poder da coroa de Odùdúwà. E chega primeiro à Bahia para declarar o estado como capital yorubá das Américas.

Ọ́ọ̀ni Adéyeye Ènìtán já visitou inúmeros países com o propósito de reaproximar os afrodescendentes de suas raízes culturais africanas, desde que assumiu o trono de Odùdúwà, Sua chegada ao Brasil se dá com o mesmo objetivo de estreitar os laços culturais e religiosos entre os afrodescendentes do povo yorubá, em particular, com o povo de Ilé Ifẹ̀.

Nigéria – Ilé Ifẹ̀ é uma cidade situada nas fronteiras das florestas do Estado de Ọ̀ṣun, no sudoeste da Nigéria. Para os yorubás (principal etnia da Nigéria), a cidade é considerada sagrada pelos Orisás, pois foi fundada por Odùdúwà, um ancestral divinizado, que para eles foi o primeiro Ọ́ọ̀ni Ifè.

Segundo tradição, Ilé Ifẹ̀ é o centro do mundo, pois foram nos arredores desta cidade que se desenvolveram reinos, culturas e toda a existência da terra.

Sobre o Ooni – Sua Majestade Imperial, Oba Adeyeye Babatunde Enitan Ogunwusi (Ojaja II), é o 51o Ooni de Ile-Ifẹ. No nascimento, previsto anos antes de ser concebido, foi nomeado “Enitan” por sua mãe, enquanto seu avô o nomeou “Adeyeye”, que significa “a coroa condiz com o trono”, ou seja, Sua Majestade Imperial Oba Adeyeye Babatunde Enitan Ogunwusi é a coroa personificada”.

Ooni de Ile-Ifẹ  se formou em Contabilidade pelo The Polytechnic Ibadan. É membro do Institute of Chartered Accountants da Nigéria e membro do Global Real Estate Institute. É ainda chanceler da Universidade da Nigéria,  doutor  honoris causa em Administração Pública e Direito da Universidade da Nigéria Nsukka e Universidade de Igbinedion.

Salvador – Acompanhando de sua comitiva, Ọ́ọ̀ni Adéyeye Ènìtán deverá chegar a Salvador na quarta-feira (06) e ficar até domingo (10), onde será recebido por autoridades políticas, culturais e religiosas, cumprindo uma extensa agenda na capital, a fim de prestar solidariedade às religiões de matrizes africanas que foram essenciais na manutenção e resistência da cultura yorubá.

O monarca ainda se fará presente nas cidades do Rio de Janeiro e Belo Horizonte para fortalecer o intercâmbio intelectual e cultural entre os yorubás e afrodescendentes no Brasil com propósito de utilizar o patrimônio cultural comum em prol de uma parceria econômica que beneficiará ambos os países.

Confira Programação na Bahia:

Bahia
Dia 07 (quinta-feira)

8:30 –  Ritual simbólico da benção da terra baiana e apaziguamento das almas dos negros escravizados com participação das autoridades cívicas e das comunidades de candomblé, no Avenida Contorno (Praia ao lado do Restaurante Amado)

10:30 – Solenidade de Declaração da Bahia como Capital Yorubá das Américas e  Coletiva da imprensa, no auditório da Governadoria do Estado da Bahia (Centro Administrativo da Bahia)

15:30 – Assinatura do Memorando do Protocolo de cooperação entre as culturas iorubana e brasileira, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Salvador  (Praça da Sé)

Dia 8 (sexta-feira)

14:00 – Colóquio Internacional Odùdúwà – Língua, Literatura e Epistemologias Iorubanas, no auditório da Faculdade de Medicina da UFBA (Terreiro de Jesus)

Dia 09 (sábado)

10:00 às 12:00 – Visita ao Santuário Pedra de Xangô onde será erguida a estátua de Odùdúwà para povo de candomblé (Cajazeiras)

Dia 10 (Domingo)

9:00 às 12:00 – Solene do Oonide Ifépelo  para Povo de Santo e comunidade baiana no “Diálogo dos Tambores África-Bahia”, no Espaço Cultural da Barroquinha

Por Ivana Sena – DTR 326BA

COMPARTILHAR
Redação NES
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.