Professor Manoel Neto lança documentário nessa quinta-feira (23)

O historiador e professor Manoel Neto lança nessa quinta-feira (22), às 19h, nana Sala Walter da Silveira, o documentário “Assim era Dadá – A vida pós-cangaço de Sérgia da Silva Chagas”. O curta é uma produção do Centro de Estudos Euclydes da Cunha – CEEC, com direção e roteiro de Manoel Neto, direção de fotografia de Lucas Viana e montagem de Ilo Alves. “Assim era Dadá – A vida pós-cangaço de Sérgia da Silva Chagas” ressalta a figura humana que soube enfrentar os desafios da sua vida extraordinária, sem renegar sua história

Dadá – Sua puberdade foi no cangaço. No cangaço aprendeu o bê-a-bá. No cangaço pegou em armas, fez seus próprios partos e ajudou a trazer ao mundo outros crianças, filhos e filhas do cangaço. Cuidou de feridos. Deu tiros, tingiu de cores e ilustrou com flores os trajes e utensílios dos bandos. Perdeu de vista a Sérgia do batismo, deu vida a Dadá cangaceira temida e respeitada, companheira do crudelíssimo Capitão Corisco, o façanhudo e valente chefe de grupo. Até que no dia 25 de maio de 1940, assistiu a morte do seu companheiro e tombou gravemente ferida. Era o ocaso de um tempo, era o fim irreversível do cangaço.

Após deixar a prisão por força de uma habeas corpus, Dadá, mutilada de guerra, iniciou uma nova vida. Reinventou-se para viver os dias urbanos, longe dos sertões e das armas. Encontrou um novo companheiro. Casou-se. Fez da costura um ofício. Trouxe as filhas para junto de si. Converteu-se em avó amorosa, matriarca atenta, severa, extremada na luta pela sua sobrevivência e dos seus. Solicitada por artistas, intelectuais, escritores e estudiosos prestou testemunhos que puseram luz sobre fatos e personagens da luta cangaceira. 

Mais informações:

O que: Lançamento do documentário “Assim era Dadá – A vida pós-cangaço de Sérgia da Silva Chagas”
Onde: Sala Walter da Silveira, Rua General Labatut, no prédio da Biblioteca Central.

COMPARTILHAR
Redação NES
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.