Baiano está entre jovens que morreram pisoteados em baile funk em SP

Ação da Polícia Militar para dispersar o baile 'foi errada', diz irmão da vítima

(Foto: Reprodução)

Por Correio24horas

Um dos nove jovens que morreram pisoteados após uma ação da Polícia Militar em um baile funk em São Paulo era baiano. O vendedor de produtos de limpeza Mateus dos Santos Costa, 23 anos, morava em Carapicuíba, na Grande São Paulo, e gostava de ir para os bailes de Paraisópolis às vezes para se divertir. A festa reunia cerca de 5 mil pessoas quando os PMs chegaram em uma perseguição, segundo relato da corporação, e encurralaram os frequentadores.

“Ele vendia produto de limpeza em caminhão, pagava o aluguel da casinha dele e volta e meia ia ver a gente ou a gente ia lá ver ele. Era um menino tranquilo, se fosse menino errado eu não ia negar”, disse ao jornal Agora a doméstica Sílvia Ferreira Gonçalvez, 41, cunhada do Mateus. “Ele só foi lá porque em Carapicuíba não tem opção. Nem a gente que é casal tem para onde ir”, disse ela, ao lado do marido Moisés, irmão de Mateus.

Sílvia diz que o cunhado nunca fez nenhum relato de ter presenciado violência no baile antes. “Ele já tinha ido várias vezes a este baile com o meu filho e nunca aconteceu nada. Mas desta vez, o meu filho não foi, pois estava na casa da namorada”, acrescenta, afirmando que a família ficou em choque ao receber a notícia.

Mateus morava sozinha e não deixa filhos. Como os pais ainda moram em Maracás, no interior da Bahia, o corpo será encaminhado para a cidade pra o sepultamento.

O rapaz se mudou da Bahia para São Paulo há cerca de cinco anos em busca de uma vida melhor. “O que a polícia fez foi errado. Não é assim que tem que entrar nos lugares. A irmã dele está grávida e a mãe dele é cadeirante”, diz a cunhada.

O irmão da vítima critica a maneira de agir da PM. “Tem várias maneiras de dispersar um baile. Não precisava fazer isso. Jogaram eles para um beco para espancamento mesmo”, diz.

PMs afastados
A Polícia Militar afastou nesta segunda-feira, 2, seis PMs envolvidos na ação que terminou com a morte dos jovens. Os agentes foram transferidos para funções administrativas. Em entrevista coletiva, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), lamentou as mortes no domingo, mas buscou destacar que o plano de policiamento do Estado “não mudará” por causa dessa ação.

Os seis agentes tirados das ruas são Rodrigo Cardoso da Silva, de 31 anos; Antonio Marcos Cruz da Silva, de 45; Vinícius José Nahool Lima, de 35; Thiago Roger de Lima Martins de Oliveira, de 37; Renan Cesar Angelo, de 31 e João Paulo Vecchi Alves Batista, de 36. Eles foram os primeiros agentes a entrar na favela durante a ação. O Estado não conseguiu localizar a defesa dos Pms.

Conforme a versão oficial, seis PMs participaram inicialmente da perseguição a uma dupla de suspeitos, que terminou no tumulto dentro do baile funk. Depois, segundo o registro oficial, eles pediram apoio da Força Tática. Ao todo, 38 policiais participaram da ação.

O comandante-geral da PM, coronel Marcelo Salles, disse preferir evitar a expressão “afastamento”. “Os policiais (envolvidos no caso) não estão afastados. Eles estão preservados”, afirmou Salles. “Temos de concluir o inquérito. Não haverá açodamento de condenados anteriormente antes do devido processo legal. Eles estão preservados e continuarão nas unidades, em serviços administrativos, no mesmo horário deles, fazendo outras coisas”, afirmou, ao citar que, em eventos em que há mortes, os policiais passam por acompanhamento médico e psicológico.

Já o governador Doria negou culpar a polícia. “A letalidade não foi provocada pela Polícia Militar, e sim por bandidos que invadiram a área onde estava acontecendo o baile funk. É preciso cuidado para não inverter o processo”, disse Doria. “Não houve ação da polícia em relação a invadir a área onde o baile funk estava ocorrendo. Tanto é fato que o baile funk continuou”, afirmou o governador. “(O baile) não deveria sequer ter ocorrido, porque é ilegal. Fere a legislação municipal”, completou.

Doria disse ainda que os protocolos estabelecidos para a atuação da PM no Estado não sofrerão alterações, “o que não nos desobriga de reavaliar e rever pontos específicos de ação, onde falhas possam ter acontecido e, neste caso, corrigir as falhas para que elas não voltem a se suceder”.

“As ações na comunidade de Paraisópolis, como em outras comunidades do Estado de São Paulo, seja pela desobediência à Lei do Silêncio, seja pela busca e apreensão de drogas, de fruto de roubo de automóveis e motocicletas, ou de outros bens, vão continuar na capital, na região metropolitana e no Estado de São Paulo. A existência de um fato não estabelece que circunstancialmente, com as alterações que devem ser feitas, não inibirão as ações de que devem ser feitas”, ressaltou o governador.

Doria chamou o caso de “incidente triste” e disse transmitir aos familiares dos nove jovens mortos sua “solidariedade”.

“Os procedimentos, a atitude e o comportamento da Polícia Militar, ou seja, o programa de Segurança Pública no Estado de São Paulo não muda. Não vai mudar”, disse Doria, falando pausadamente a última frase de forma a enfatizar cada palavra. “O governador está sendo muito claro: não vai mudar”, enfatizou mais. “Procedimentos de ação operacionais podem ser revistos. Aliás, devem ser revistos constantemente, para serem aperfeiçoados e melhorados, evitando erros.”

PM havia planejando operação na favela horas antes das mortes
O comandante-geral da PM, coronel Marcelo Salles, afirmou que a Polícia Militar havia montado uma operação especial para coibir o baile funk que ocorreu em Paraisópolis na noite de sábado. Segundo o policial, havia oito festas diferentes dentro da favela naquela noite, com cinco mil pessoas. Entretanto, a operação teria sido abortada dado o volume de cidadãos aglomerados nas vielas do bairro.

Foto reprodução

“Nós iríamos ocupar? Iríamos. Só que, às 20 horas, foi feita uma análise de risco e não dava. Já estava tudo tomado naquela localização. Ingressar ali seria um erro. (Seria um erro) Dispersar ali. Tanto que esse evento ocorreu às 4 horas da manhã”, afirmou o coronel.

Salles afirmou que a opção então foi de reforçar o policiamento no entorno do baile, sob o argumento de que criminosos se aproveitam da festa, e da multidão, para se refugiar na massa de pessoas após a prática de crimes. “A experiência diz, e eu já fui comandante da zona oeste e sei disso, que há crimes adjacentes. Carros são roubados e levados para dentro do pancadão”, disse.

“O gatilho iniciador do problema foi os criminosos atirando na polícia”, concluiu o coronel, mesmo admitindo que as investigações sobre o caso ainda não são conclusivas.

Na versão apresentada pelo coronel, duas pessoas, que ocupavam uma motocicleta Yamaha XT 660 R, teriam passado por três policiais militares que também eram ocupantes de motos, e atirado contra os policiais. Os PMs teriam então perseguido essa dupla por cerca de 400 metros, até chegar no ponto onde havia o baile. Ali, a massa teria reagido com hostilidade à presença dos policiais, que ainda assim não reagiram a novos tiros de armas de fogo, e teriam pedido auxílio.

Primeiramente, um outro policial também de moto teria chegado para socorrer os três policiais. Depois, duas equipes da Força Tática, uma divisão da PM que tem escopetas e granadas de gás, também entraram na favela. Mais PMs foram chegando até totalizarem 38 agentes na favela.

O coronel disse que eventuais mudanças nos procedimentos da ação, especialmente no caso de criminosos usarem pessoas como escudos, como ele argumenta que ocorreu, só serão analisadas depois do término das investigações. Salles não deu prazos para o fim das ações.

Salles disse que as imagens compartilhadas nas redes sociais estão sob análise. Ele destacou uma das gravações, em que uma pessoa sentada é agredida com tapas na cara por um policial, poderia não ter relação com a ação. “Não há som de música, você consegue ouvir cães latindo”, citou. “Apesar (de serem atos) gravíssimos e que serão apurados com uma lupa, porque não compactuamos com erro.”

O secretário estadual da Segurança Pública, João Campos, se negou a responder se já havia identificado os agentes mostrados nos vídeos que foram compartilhados após a ação. No lugar disso, preferiu destacar a “disciplina” da PM paulista. “É uma instituição admirável”, disse o secretário.

COMPARTILHAR
Redação NES
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.