Moradores reclamam de acesso à matricula para aulas de natação

Inaugurada em 2008, a piscina da do CSU/Nordeste foi construída através de inciativa da antiga Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (Sedes), vinculada ao governo do estado.

Em time que está ganhando não se mexe, diz o ditado costumeiramente aplicada no futebol. Entretanto, a velha máxima serve perfeitamente para ilustrar o recente imbróglio provocado pela Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (Sudesb) no que diz respeito às inscrições para as aulas de natação oferecidas pelo órgão, em especial na unidade do Centro Social Urbano (CSU) Nordeste.

Inaugurada em 2008, a piscina da do CSU/Nordeste foi construída através de inciativa da antiga Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (Sedes), vinculada ao governo do estado. As aulas de natação na unidade foram iniciadas no ano 2009 e foram viabilizadas através de uma parceria do Instituto Ronaldinho Gaúcho (IRG) com o Governo do Estado. Posteriormente, em 2010, a Sudesb assumiu a coordenação das aulas de natação dos quatro núcleos: no Centro Administrativo da Bahia; no Nordeste de Amaralina; no Centro Olímpico de Natação, na Avenida Bonocô; e no Centro Pan Americano de Judô, em Lauro de Freitas. Em 2018, a Sudesb, através do programa Natação em Rede, transferiu para Federação Baiana de Desportos Aquáticos (FBDA) a gestão do projeto. Foi aí que o caldo começou a entornar…No CSU/Nordeste, desde o início, as inscrições sempre foram feitas de forma presencial, sempre transcorrendo de forma tranquila. Com a entrada da FBDA foi estabelecido que as inscrições passariam a ser feita somente pela internet. A mudança foi feita sem qualquer tipo de aviso prévio e causou um número muito grande de reclamações, principalmente entre os alunos antigos. Das 300 vagas disponibilizadas para a unidade do Nordeste, boa parte foi ocupada por pessoas de fora da comunidade.

Outros pontos que causaram revolta entre os usuários do espaço foi o fim das aulas de natação e hidroginástica para o público de meia idade e a restrição da natação apenas para alunos da rede estadual. Agora as vagas seriam destinadas somente a crianças (alunos da rede estadual) e idosos. Adultos, mesmo aqueles que tenham prescrição médica, ficaram desassistidos.  De acordo com a gestora do CSU/Nordeste, Andreia Macedo, as pessoas têm buscado o CSU reclamando por terem sempre feito parte do quadro de alunos e esse ano terem ficado de fora. Ainda de acordo com Andreia, a coordenação do CSU vem buscando alternativas para solucionar o problema, mas até agora não tem nenhuma informação a respeito.

Revoltada com a mudança, Jussara Santos, que já era aluna da casa, expos toda a sua revolta com as alterações impostas pela Sudesb e FBDA: “Enfim, no meu bairro tanto eu como minha filha perdemos o privilégio de poder praticar o esporte que gostamos gratuitamente. Informações desencontradas, descaso total. As matrículas foram abertas pela internet, mas estava matriculando presencialmente sem distinção de idade nem de rede escolar. Documentos foram entregues e posteriormente mandaram confirmar pela internet. De repente recebemos a ligação que informando que nossos documentos seriam devolvidos, pois nossa inscrição seria deferida. Não é apenas eu e minha filha que perdemos, toda a comunidade perde”. Jussara Silva fazia natação a dois anos e meio, assim como sua filha também. De acordo com ela, no final do ano passado foi avisado que as inscrições somente seriam feitas pela internet. Jussara relata: “Teríamos que ficar ligando para saber quando iriam se iniciar as inscrições. Fui até o CSU, entreguei os documentos e me disseram para fazer a confirmação da inscrição pela internet. Na internet não constava o campo de natação para adulto, mas ninguém tinha enfatizado isso. Além disso, dizia também que criança de escola particular também não estaria participando. Fui informada, então, que a Sudesb não aceitou a nossa inscrição. O que era para atender ao público, principalmente crianças, no caso de minha filha que tem renite alérgica e a natação faz bem ela, acaba não acontecendo. Não entendi muito bem essa mudança. Pensei que esporte era saúde, independente da rede ou situação da pessoa”.

A mesma reclamação é feita por Rosemeire Sales. De acordo com Rosimeire na véspera do dia das inscrições foi dito que as mesmas seriam feitas de forma presencial. “Sai do plantão e fui direto para fila. Cheguei a entregar os documentos e tudo quando chegou a notícia que as inscrições deveriam ser suspensas e que somente seriam realizadas pela internet a partir das 14h. Retornei para casa e fiz minha inscrição”. A surpresa veio alguns dias depois. Rosemeire recebeu o recado que deveria comparecer até o CSU e chegando lá foi informada que o projeto foi suspenso. “Fomos feitos de palhaços. Levamos a documentação, fomos orientados a fazer a confirmação online e quando retornamos lá devolveram nossa documentação dizendo que o projeto foi suspenso. Quando reclamei a senhora lá ainda me veio com risinho dizendo que fosse atrás dos meus direitos. Liguei para a Ouvidoria e prestei uma queixa contra a Sudesb. Estão banindo os moradores da comunidade da natação. Quem vai realmente é o pessoal adulto. Muita gente que tem problemas de saúde. É mais para médico do que para esporte. Estão dando vez ao pessoal de fora e o pessoal daqui do Nordeste de Amaralina não está tendo vez. Estamos super chateados”, desabafa.  Amanda Costa, 24 anos, moradora do bairro da Santa Cruz participava do projeto a dois anos.  Amanda explica que as inscrições eram feitas em duas etapas, a primeira era os alunos da casa em seguida os novatos. “Sempre foi presencial esse ano que colocaram vai net. Achei uma falta de respeito com os alunos, por ter realizado a matrícula presencial entreguei a documentação e depois cancelar sem dar nenhuma explicação”, reclama.

 

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU