Moradores do Nordeste de Amaralina opinam sobre o projeto de lei que requer a aprovação da legalização da prostituição no Brasil.

Lei prever direitos trabalhistas e sócias aos profissionais do sexo no Brasil.

Uma das profissões mais antigas do mundo ainda é considerada como um tabu.  A prostituição ainda é um assunto considerado delicado para ser tocado pelos conservadores da sociedade brasileira. Um projeto de lei (PL) vem sendo alvo de constantes debates no congresso, com o propósito de regulamentar a situação destes trabalhadores. O projeto tem dividido opiniões da bancada. Protocolada em 2012, pelo Deputado Federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) o projeto de lei(Lei 4211\2012) prever a garantia dos direitos trabalhistas como qualquer outra profissão.

O projeto foi batizada de Gabriela Leite, uma homenagem á escritora, presidenta da organização não governamental (ONG) e ex-aluna de sociologia da Universidade de São Paulo (USP), que decidiu virar prostituta aos 22 anos. Gabriela foi uma das principais ativistas pelos direitos das prostitutas, e morreu em 2013.  Embora o PL, ainda não tenha sido protocolado pelo congresso, a profissão é comemorada todo dia 02 de junho, considerado o dia internacional da prostituição. A data tem como foco lembrar a discriminação da profissão, as suas duras condições de vida e de trabalho e a sua exploração. O ponto de partida para esse dia comemorativo foi na mesma data do ano de 1975, no qual mais de 100 prostitutas ocuparam a Igreja Saint-Nizier em Lyon, a fim de chamar a atenção para a sua situação.

O NES através de bate-papo, convocou alguns dos moradores da comunidade para comentarem sobre o projeto de lei Gabriela Leite e o que acham da sua aprovação. A favor ou contra?

“Apesar de não regulamentada a prática sexual por remuneração é antiga, assim acredito que deve ser uma profissão que garanta proteção aos profissionais que atuem neste mercado. Desta forma o projeto de lei do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) deve ser aprovado e aceito pela sociedade. No entanto, o que vemos são opositores a um projeto que visa garantir dignidade e direitos para aqueles que estão tão expostos e que trabalha com um público que oferece um risco muito grande. Observo que o projeto não passou ainda por ser sua oposição conservadora e pregadora de uma falsa moral, posso imaginar que a bancada religiosa deve está por trás disso”, diz,  André Caldas, Assistente Social.

“A mulher já é fruto de   tantas discriminações e violência. Legalizar a profissão é dar margem para muitas jovens correrem para esta via de trabalho, principalmente atualmente que a mídia mostra a prostituição como algo  glamouroso, como na novela Segundo sol. Não concordo com a legalização”, comenta,  Danielle Gonzaga, Pedagoga.

“Minha opinião  acompanha a Constituição Federal, que prevê proibições para qualquer tipo de exploração do sexo alheio, porém, existem no Brasil, e no mundo pessoas que sobrevivem dessa atividade, e que sofre muita discriminação, por tanto, defendo que as pessoas que estão vivendo dessa atividade, abra um grande debate nacional em torno dessa questão, e se o desejo da maioria das pessoas  for  viver dessa atividade que sua opção  prevaleça e o Estado garanta o mínimo de proteção legal, até por que,  hoje se um cliente após usar esse serviço, não quiser pagar o acordado, a ou o trabalhador não tem onde ou a quem recorrer, haja vista que hoje essa atividade é vista como uma contravenção. Finalizo dizendo que sou a favor de qualquer lei que sejam defendida por qualquer categoria de pessoas que seja libertária!”, comenta,  Eudes Oliveira.

“Caso legalize a profissão, não teria problema algum, pois é uma profissão como qualquer outra. Garantirá os direitos sociais e trabalhistas deles, e com uma possibilidade de contribuição para INSS, Benefícios de Auxílio Doenças, Aposentadoria. Não teria problema nenhum, se eles optam a trabalhar nesta profissão, não será nós que vamos não concordar ou discordar de alguma coisa. É até melhor que dar uma garantia para aquelas pessoas que exerçam essa profissão tenha ao menos seus benefícios sociais”, pontua, Rodrigo Coelho, advogado.

COMPARTILHAR
Luis Lago
Amante da Literatura, apaixonado pelas Letras. Discente de Letras Vernáculas e Língua Inglesa, poeta, escritor , blogueiro, professor e Repórter do site NES.