Moradores do Nordeste de Amaralina fazem denúncia contra motoristas de ônibus da região

As principais denúncias são relativas à falta de educação desses motoristas.

Um grupo de moradores do Nordeste de Amaralina entrou em contato com a equipe do NORDESTEUSOU (NES) denunciando motoristas de ônibus que fazem as linhas da região. As principais denúncias são relativas à falta de educação desses motoristas. De acordo com os populares os locais de maior incidência são os finais de linha do Nordeste, Vale das Pedrinhas e Santa Cruz.

Maria Silva, moradora da Santa Cruz, conta que um simples passeio em uma tarde de domingo com a família tornou-se num momento de puro estresse. “Após esperar mais de quarenta minutos no ponto do final de linha do Nordeste, enfim o tão desejado ônibus chegou, mas não esperava que o motorista não abrisse a porta da frente para entrarmos. Pedi, chamei de forma educada, mas o senhor que estava no volante, ria da minha cara e não abriu a porta. Gritei, mas mesmo assim ele não abriu a porta da frente. Abriu as outras duas entradas e pessoas e ambulantes desceram, mas eu fiquei com minha família com a porta fechada na cara por minutos. Ele então seguiu viagem e nos deixou para trás. Um absurdo, tamanha falta de respeito com o cidadão!”, diz a indignada senhora.

Outra situação que gerou bastante revolta aconteceu com a moradora do Areal, Ayla Santos. Ayla relata que há algum tempo vem acompanhando a forma que os motoristas tratam as pessoas e a falta de organização nas linhas dos ônibus, o que para ela, prejudica os moradores. “É constante chegamos ao final de linha da Santa Cruz e nos deparamos com a falta de organização das linhas de ônibus. Não tem horário para sair, em cima da hora trocam as placas que tem as informações dos locais. Tem dia que sai cedo, outro dia tarde. Quando pedi uma simples informação fui surpreendida com duas pedras nas mãos. Um horror! É um absurdo! Pagamos e somos duramente tratados desta forma”, contou.

A aposentada Ludmila passou por uma situação tão desagradável que chega a se emocionar ao recordar o ocorrido: “Já vivi de tudo nesta vida e essa foi muito forte. O ser humano vive sem compaixão para com seu próximo. Não respeitou nem minha idade. Peguei um ônibus na Vasco para retornar à minha casa no Vale. A viagem foi tranquila, mas quando chego à entrada do Vale, o ônibus não entrava por um motivo desconhecido dos passageiros. Fui educadamente perguntar ao motorista o que aconteceu e fui grosseiramente respondida com gritos: “Desça logo e vá andando, e procure saber lá dentro”. Fiquei assustada e constrangida com o ocorrido. Só momentos depois descobri que foi interrompido a rótula por conta de um serviço de uma empresa de água. Mas será que desta forma que merecia ser tratada? Falta de respeito”, lamenta a senhora. Com a palavra a Secretaria de Mobilidade de Salvador (SEMOB).

COMPARTILHAR
Luis Lago
Amante da Literatura, apaixonado pelas Letras. Discente de Letras Vernáculas e Língua Inglesa, poeta, escritor , blogueiro, professor e Repórter do site NES.