Estudante tem celular roubado e é agredido por assaltantes em Amaralina

Assaltos são uma constante na região

O que era para ser um simples cooper acabou em prejuízo para o estudante universitário Matheus Santos. O jovem costuma diariamente dar uma “corridinha” entre a orla dos bairros de Amaralina, onde reside, e Pituba. Na tarde de ontem (06), Matheus foi surpreendido pela ação de dois meliantes. O saldo do prejuízo foi, além da perda do celular, iphone, diversas escoriações no rosto. “Sai de casa por volta de quatro horas da tarde, como sempre faço. Quando chegou no largo das baianas, próximo às barracas de coco, fui empurrado por dois caras que vinham de bicicleta. Cai no chão e meu celular vôou… Pegaram meu celular e saíram correndo. Era dois moleques. A ação foi muito rápida”.

O estudante relata ainda que essa prática já se tornou comum na região e ele, inclusive, já presenciou outras pessoas, assim como ele, serem vítimas de assalto. “Já aconteceu de outras vezes… Já vi situações parecidas. Galera é abordada aqui no ponto de ônibus do largo. Outro dia mesmo aconteceu com uma senhora”.

Iluminação – O local padece de diversos problemas, sobretudo relacionados à falta de iluminação pública e policiamento. As baianas de acarajé que ainda se aventuram a trabalhar na região, são obrigadas a comercializar seus quitutes às escuras. “Nós que trabalhamos aqui estamos ao Deus dará. Cliente nenhum vai vir para um lugar totalmente escuro e que não tem segurança para sua família. Estamos decepcionados com os órgãos públicos que não olham para a gente. Eu que sou neta e filha de baiana de acarajé estou decepcionada com o Largo de Amaralina e só venho mesmo porque não tenho outro lugar para tirar o sustento da família”. Procuradas pela nossa pela nossa equipe, Coelba e Semop não se manifestaram até o fechamento da matéria.

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU