[Denúncia] Atakarejo causa transtornos aos moradores de Amaralina

Poluição sonora e “bagunça” no trânsito são as principais reclamações

“Caos” é a palavra que melhor define o impacto causado pelo supermercado Atakarejo em Amaralina. O que antes era motivo de comemoração pelo fator de ter uma loja de grande porte no bairro acabou virando um pesadelo. Inúmeras são as denúncias dos moradores das ruas do Balneário e da rua Jânio Quadros sobre o referido supermercado. Barulho em horários inapropriados e desordem no trânsito são os principais inconveniente relatados pela comunidade local.

Heitor Cardoso, morador da rua Jânio Quadros, diz não aguentar mais a poluição sonora oriunda do supermercado. “É uma desordem! Eles chegam aqui às 4h30 da manhã. Os caminhões ligados num barulho infernal. Incomoda todo mundo. De madrugada, na arrumação deles recolhendo os carrinhos, é um bate-bate terrível. Teve um vizinho que ficou com raiva e até jogou pedra lá para dentro. Tem também um negócio de um compressor que eles ligam às 6h da manhã. . Eles tiraram a paz de todo mundo”. Outro ponto frisado por Heitor diz respeito, ao trânsito: “É caminhão parando na vaga dos outros… Não tem horário certo para descarregar. Um verdadeiro mangue! Não respeitam ninguém. Tem que ter horário para descarregar as coisas deles. Dia de segunda-feira é o pior dia. Fora a bagunça dos motoristas da cooperativa”, ressalta.

O também morador da Jânio Quadros, André Luis, faz coro às reclamações de Heitor, principalmente sobre a “bagunça” que se tornou o trânsito no local: “Se não bastasse a zoada do Atakarejo arrumando as mercadorias a noite e falando no microfone, tem uma cooperativa de motoristas que botam os carros em cima do passeio e ninguém pode passar. Tumultua o trânsito todo aqui em Amaralina. No passeio, no local reservado para os deficientes visuais fica cheio de carro estacionado. Não podemos falar nada porque eles são violentos. Os caminhões chegam 3h, 4h da manhã. Tem caminhão que fecha os moradores, daí as pessoas acordam cedo para trabalhar procuram os motoristas e não acham. Fecham as garagens do prédio. Já falei diversas vezes com o pessoal do Atakarejo e eles não resolveram nada”. Nossa equipe tentou contato com os responsáveis pelo Atakarejo, mas não obteve sucesso.

O decreto municipal n° 23.975, do ano de 2013, estabelece que ficam proibidas operações de carga e descarga, nas Zonas de Restrição de Operação de Carga e Descarga (ZROCD) em estabelecimentos comerciais e de serviços de segunda a sexta-feira, entre às 6h e 21h, e antes das 14h, aos sábados. Também é proibido o trânsito de caminhões e tratores nas Áreas de Restrição a Circulação (ARC) do município, entre às 6h e 10h de segunda a sábado, das 17h a 20h de segunda a sexta, e entre 9h e 20h, aos sábados, domingos e feriados na orla de Salvador. A fiscalização é por conta da Transalvador.

Segurança – Mesmo após um assalto ocorrido em setembro, quando um carro-forte que abastecia o supermercado foi surpreendido por um grupo de bandidos armados a prática continua a mesma: quase que diariamente o carro-forte estaciona na frente do Atakarejo e põe em risco os moradores e clientes. Lembrando que durante o referido assalto houve intensa troca de tiros entre os criminosos e os seguranças do carro-forte o que causou pânico entre moradores e transeuntes. É importante salientar ainda a existência de duas escolas na região.

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU