Comerciantes inovam para matar a fome dos foliões

O corre-corre atrás do trio, o grande consumo de cerveja e até o desgaste fruto de muita dança faz despertar aquela fome ou “velha larica”, como a galera costuma falar nas ruas.

No Circuito Mestre Bimba, muitas são opções para saciar a fome. As mais conhecidas são o espetinho, o cachorro-quente, sanduíches diversos e o tradicional acarajé. Entretanto, também tem aqueles que procuram sair do lugar comum e inovam no cardápio.

Esse é o caso de Seu Fernando, que pelo segundo ano monta sua barraca comercializando tira-gostos diversos, entre eles filé de tilápia crocante, linguiça calabresa com alho e cebola, lambari, iscas de frango com requeijão temperado, além do bife de carne moída temperado. Tudo isso servindo como se estivesse num barzinho: prato, garfos e facas de plástico. O nome da barraca? “Cheiro de comer”. Seu Fernando explica que o objetivo principal é reforçar a renda doméstica e vendeu seu peixe (literalmente) quando questionado por nossa equipe: “Procurei trazer coisas novas que a maioria das pessoas do Nordeste não conhecem e precisam saber que é uma coisa boa. Na rua esse mesmo tira-gosto é bem mais caro. Aqui eu cobro apenas dez reais. Tudo fritinho na hora. É pediu, saiu”.

No caso de Dona Maria do Carmo, ela utiliza de um alimento já tradicional em todas as festas de rua de Salvador: o abará. O diferencial? O dela é chamado de “abará recheado”. “Minha sobrinha é quem faz. É um abara que onde na massa a gente acrescenta camarão. O recheio é feito de camarão batido com os temperos no liquidificador. Estamos vendendo por apenas dois reais e até aqui as vendas foram de razoáveis para boa”, comemora.

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU