Capoeiristas representam o Nordeste de Amaralina na Alemanha

No Nordeste de Amaralina / No fim da tarde se ouvia berimbau / No Nordeste de Amaralina / Tinha que ser bamba pra jogar regional...” Mestre Mao Branca (Capoeira Gerais)

E o som do berimbau ecoou forte em Hanau na Alemanha…No último domingo foi realizado o 1º  batizado e troca de cordel promovido Associação de Capoeira Regional da Bahia. O evento foi promovido por Mestre Marco, filho do Nordeste de Amaralina e que há mais de um ano ensina capoeira no velho continente. O encontro contou com a participação de outros capoeiristas do bairro , tais como: Mestre Bozo (sobrinho de Mestre Bimba e professor de Mestre Marco),  Mestre Luisinho, Bira Saci e Yuri Lobo.

A capoeira entrou na vida de Mestre Marco ainda na infância, na rua Brasil, Nordeste de Amaralina. O convívio com a família do lendário Mestre Bimba já despertava no garoto a vontade participar das rodas. Esse desejo era de imediato reprimido por seu pai, que via a capoeira como “coisa de vagabundo, coisa de malando”, opinião vigente na época. “Naquela época a capoeira era muito discriminada…  A capoeira regional de Mestre Bimba veio na contramão desse estigma. Bimba queria dar dignidade ao jogador de capoeira. E conseguiu através de uma postura mudar isso. Muitas pessoas que passaram por Bimba e que poderiam ter se tornado marginal, se transformaram em doutor”, conta Marco. Aos 19 anos, Marco finalmente entrou na capoeira, pelas mãos de Mestre Bozó. “Comecei a lutar capoeira com Mestre Bozó. Quando tive contato com ele e soube que ele vinha dessa linhagem da regional, resolvi  treinar”. Não demorou e jovem começou a dar aula no antigo espaço Zingra, na ladeira da Manoel Dias, onde hoje funciona uma igreja. E a capoeira não mais sairia da sua vida.

De acordo com Marco, a ideia do evento surgiu da experiência vivida em um ano ministrando aula em território alemão: “Promovemos essa festa para premiar os alunos pelo ano de luta e prazer. Deixamos todos felizes o que importante, além de ter a oportunidade de mostrar a eles um pouco da nossa cultura”. Questionado sobre a importância de levar todo o conhecimento adquirido nas rodas de capoeira do Nordeste de Amaralina mundo à fora, além de carregar a imagem do bairro para esses lugares, Marco explica:  “Fui morar no Nordeste de Amaralina com três anos de idade. Fui criado no bairro. Estou aqui na Alemanha, mas sinto muito saudade… Para mim é uma honra mostrar para toda sociedade mundo a fora, onde existe o estigma de que o Nordeste só tem marginal, que nele existe também muita gente rica em cultura. Para mim é sempre um prazer e uma honra dizer que sou do Nordeste de Amaralina. O meu bairro, a minha casa”. A receptividade do povo alemão pela capoeira também é salientada pelo capoeira: “A cultura da capoeira já é ensinada em mais de 165 países do mundo. Em todo lugar que chego automaticamente é abraçada. Aqui nessa cidade ainda não existia o contato com a capoeira, então quando apresentei a todos aqui a receptividade foi maravilhosa”. 

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU