“Amigos do Parque”: Esporte e cidadania através do skate

Grupo grava documentário neste domingo (11)

Uma turma de skatistas seniores que se reúnem todos os sábados no Parque da Cidade, para unir os benefícios do esporte com a paixão pelo skate. Esse é o grupo batizado de “Amigos do Parque”. O “Amigos do Parque” foi criado em março de 2017. Começou de forma tímida e aos poucos foi agregando mais adeptos. Hoje a turma conta com 57 participantes. A faixa etária é de 30 a 60 anos e conta com profissionais liberais, professores, empresários, médicos, engenheiros, pastores, dentre outros. As reuniões acontecem sempre aos sábados, às 9h. O grupo costuma também combinar rolês extras durante a semana com aqueles que têm disponibilidade.

O profissional liberal e hoje coordenador do “Amigos do Parque”, Wilton de Jesus, 53 anos, conta que jamais passava pela sua cabeça a possibilidade de um dia fazer um esporte de impacto: “Não me via fazendo isso. Com 53 anos de idade eu pensava da seguinte forma: o que tinha que fazer eu já fiz”. Wilton, que é radialista de formação e hoje trabalha como técnico de farmácia hospitalar, passava por problema de saúde. “Triste e abalado”, como ele costuma falar. Isso acabava por atrapalhar sua vida de uma forma geral. “Meus relacionamentos, meu dia-a-dia, minha convivência com o próximo… Minha vida estava sem graça”, relata. Foi quando, a dois anos atrás, uma surpresa feita por seu filho durante um almoço em comemoração ao seu aniversário, num shopping de Salvador, mudou de vez a sua vida: “Estava num shopping com minha família, almoçando. Era o meu aniversário. Meu filho entrou na loja e veio com um skate em mãos para me dar de presente. Na realidade ele comprou o skate achando que seria dele. Pensando da seguinte forma: Meu pai não vai usar e quem acabará usando sou eu. Na hora questionei e ele falou: O pessoal contava que você quando era da minha idade o seu sorriso era outro. Você surfava, andava de skate. E agora você anda assim sisudo, carrancudo…”.

Wilton, resolveu então seguir os conselhos do filho. Todas as noites, de preferência depois das 22h, para ficar seguro de que não seria visto por nenhum conhecido, ele começou a se aventurar em cima das quatro rodas do seu novo “brinquedo”.  “Peguei o skate e comecei a testar. Ali na rua, no Jardim de Alah. Eram quase 30 anos sem pegar num skate. Nessa brincadeira, Marcelo, que faz parte do grupo, passou por mim, encostou o carro e começamos a conversar. Ele então me falou do grupo que se reunia no Parque da Cidade. Me adicionaram então no grupo de whats app”. A princípio, Wilton relutou. Achava que não tinha mais idade para “andar de galera”, mas ao chegar lá e conhecer o grupo a desconfiança logo se desfez: “Quando cheguei e vi, me identifiquei. Pude verificar que todos estavam passando pelas mesmas coisas que eu. A vida monótona e sem sentido. Começamos com quatro ou cinco pessoas. Nessa brincadeira, conseguimos incentivar outras pessoas a quebrarem as suas barreiras. Hoje somos mais de 50 membros, sendo 30 ativos e outros que vão esporadicamente. É gratificante ver o sorriso no rosto dos nossos amigos ao ver cada barreira quebrada, cada desafio transposto. Não tem preço”, relata.

Documentário – Neste domingo (11), entre às 9h e 12h, às experiências de Wilton e dos demais membros da turma “Amigos do Parque” serão documentadas em um documentário. No “doc” constará depoimentos e relatos de como o skate e os Amigos do Parque entraram na rotina de homens que não se conheciam e hoje se reúnem sistematicamente nos encontros semanais para a prática esportiva e desenvolvimento de relacionamentos. O evento terá um café da manhã, sorteio de brindes e contará com a presença de amigos e familiares do grupo. Boa sorte, galera!

COMPARTILHAR
Tiago Queiroz
Graduado em Comunicação/Jornalismo, e exerce as funções de Editor e Coordenador de Jornalismo do Portal NORDESTeuSOU