[Mulheres do Nordeste] Conheça a história de Larissa Gonçalves um exemplo de persistência

Larissa Gonçalves, 20 anos, mulher, profissional, estudante e mãe. Sua história nos da uma verdadeira lição de persistência, de que podemos chegar onde quisermos e de que não deve haver obstáculo capaz de nos parar ou nos fazer desistir.

Nascida e criada no Nordeste de Amaralina, tinha desde criança o sonho de ingressar na Universidade Federal da Bahia (UFBA) em Arquitetura e Urbanismo, e registrou toda a sua trajetória de estudos no Instagram como forma de incentivar a si própria e aos outros.

A história de Larissa começa ainda na infância, passava boa parte do tempo na escola onde era oferecido o ensino integral, que foi crucial para o seu desenvolvimento artístico que viria nascer futuramente ‘’ Eu estudava no Colégio Estadual Sátiro Dias, e passava o dia todo lá por conta das aulas artísticas que eram oferecidas a tarde. Lá mesmo eu comecei a ler muitos livros, a me interessar por assuntos que hoje em dia eu sou apaixonada, tinha aulas de canto e grafitti, que fez eu me apaixonar pelas artes. ‘’

Já o ensino médio foi marcado por grandes mudanças, estudou no Colégio Estadual Odorico Tavares, passou a ter mais conato com o centro da cidade, conheceu outras realidades e consequentemente passou a refletir sobre as questões sociais, que mais uma vez influenciou grandemente a sua decisão por Arquitetura e Urbanismo.

Larissa se tornou mãe aos 16 anos, e passou pela fase mais difícil da sua vida, como ela mesma conta: ‘’Minha gravidez não foi planejada, quando eu fiz o teste e deu positivo eu não tive reação, demorou muito pra cair a ficha. Eu demorei de contar a minha mãe, porque eu sentia que eu precisava aceitar primeiro pra ter coragem de contar pra ela. Foi muito complicado, eu lembro que eu acordava de madrugada lembrando que estava grávida e começava a chorar. O pai do meu filho reagiu melhor que eu, apesar de que na época estávamos em uma situação financeira bem ruim. Quando eu finalmente reuni coragem pra contar a minha mãe, a primeira coisa que ela me falou foi que eu não iria conseguir entrar numa faculdade por conta da gravidez. Eu acordava cedo pra ir à escola e ela falava coisas que me machucavam bastante repetia o tempo inteiro que eu havia estragado a vida dela e que eu tinha feito algo muito errado, e eu não conseguia lidar com esse peso. Eu já tive muitos problemas psicológicos e aquilo me abalou de uma forma muito grande. Meu pai sempre falava que se eu engravidasse eu iria sair de casa, então quando minha mãe contou eu não tive a oportunidade de conversar com ele, no mesmo dia eu fui morar com o pai do meu filho. Pouco antes do meu filho nascer, minha mãe me pediu desculpas. Hoje por alguns problemas pessoais, voltei a morar com os meus pais e nos damos muito bem. Em muitos momentos pensei se realmente seria possível conciliar os estudos com a maternidade, mas eu queria provar pra mim mesma que eu era capaz, e tudo que fiz pra chegar onde cheguei hoje, foi pelo meu filho ‘’

E a rotina se tornou pesada com o passar dos anos, em 2018 Larissa começou a trabalhar com confecção e manutenção de dreads e confecção artesanal de cadernos personalizados. Tinha que conciliar o trabalho com os estudos e a maternidade: ‘’ No inicio eu não tinha muita capacidade, fazia mais como uma forma de conseguir uma renda pra comprar leite, fralda e as coisas básicas pro meu filho, e eu cobrava um preço muito abaixo por não ter muita técnica. Hoje eu já tenho mais clientes, eu vejo que eu melhorei em relação a técnica de trabalho, hoje eu sei o valor que eu posso cobrar, mas o meu principal incentivo continua sendo o meu filho‘’

Depois de muito tempo de dedicação estudando num cursinho Pré-vestibular que muitas vezes a ajudava com o transporte, pra que ela conseguisse frequentar as aulas, o sonho de entrar pra UFBA finalmente se realizou. Quando passou em Arquitetura e Urbanismo deu inicio a uma nova fase com novos desafios, dessa vez ainda maiores. Com aulas muitas vezes em tempo integral, Larissa chegou a virar noites estudando ou preparando material de trabalho, vivendo uma rotina cansativa, mas ainda assim gratificante: ‘’ O pai do meu filho me apoia muito nos estudos, e fica mais tempo com ele quando eu preciso me dedicar um pouco mais aos estudos. Eu já me questionai bastante sobre ser ou não uma boa mãe, porque muitas vezes eu precisava estudar, mas ele queria a minha atenção e eu ficava me perguntando como eu ia conseguir fazer as duas coisas. As vezes eu não conseguia nem levar ele num parque por exemplo, porque me sentia muito cansada. Hoje em dia eu me sinto um pouco melhor, ainda não faço o suficiente, eu queria poder fazer muito mais e passar mais tempo com ele. Meu filho me motiva pra tudo, se eu pudesse voltar atrás faria tudo exatamente igual, ele me motiva a viver. Amo o que escolhi fazer, e faço por mim e por ele. ‘’

Quando questionada sobre a profissão escolhida, Larissa faz questão de dizer que vai manter as suas raízes, e beneficiar o Nordeste de Amaralina com tudo que tem aprendido: ‘’ Eu quero trabalhar com projetos pra comunidade de forma gratuita, mostrar que todo mundo que sai daqui pode voltar e aplicar aquilo que aprendeu. Quero trazer uma melhoria de vida para as pessoas daqui, melhorar equipamento urbano, paisagismo, trazer a natureza pra mais perto do nosso bairro, mostrar que a gente também pode. ‘’

Durante toda a sua trajetória, mesmo tendo apenas 20 anos, Larissa mostrou que desistir não é uma opção. Enfrentou barreiras e dificuldades difíceis de lidar, foi julgada por ser mãe tão nova, desacreditada pela própria família, desafiada por professores e diversos fatores que tornaram sua caminhada ainda mais difícil. E mesmo com tudo isso, deu a volta por cima, mostrou que era capaz de chegar onde queria, venceu os desafios da maternidade, e realizou seu maior sonho: ‘’ Se eu tivesse que falar algo para as meninas que passam hoje pelo que eu já passei, seria para olharem para si mesmas. Por sermos mulheres já temos uma carga muito grande, lidamos com o machismo, lutamos pra conseguir nos expressar como queremos, vestir o que queremos, e a gravidez na adolescência vem com uma carga ainda maior de julgamentos. Nesse processo é importante você estar com quem te apoia de verdade, sem perder o foco no futuro. Eu quero ver todas essas mulheres alcançando seus objetivos, seja na faculdade, no trabalho, ou onde elas quiserem. Foquem e vocês mesmas, e mantenham sempre o amor próprio. Mostrem que vocês também podem. Eu usei muitas mulheres como inspiração nesse processo, e hoje eu quero inspirar também. ‘’ finaliza.

COMPARTILHAR
Lais Lopes
Estudante de Jornalismo, ativista de todas as causas, amante da literatura, escritora e poetisa, cristã, lutando como uma garota e sempre em busca do conhecimento!