#Opinião “Saudade é o inferno dos que perderam, é a dor dos que ficaram para trás, é o gosto de morte na boca dos que continuam…”.

Foto Reprodução

Em 1973, as forças do atraso no Chile começaram a escrever uma das páginas mais dramáticas da América Latina. Naquele trágico ano, os chilenos começaram a sentir a dor dos que perderam.

O general e Ditador Augusto Pinochet literalmente explodiu o governo do presidente socialista Salvador Allende. Antes de ser bombardeado no Palácio La Moneda, o bravo Presidente corajosamente falou: “pagarei com minha vida a lealdade ao povo”.

Desde então, o horror e a deslealdade aos chilenos foi o que sobrou. Pinochet implantou uma ditadura assassina e entreguista. Foram quase duas décadas de destruição dos direitos trabalhistas, previdenciários e privatizações até do ar que os chilenos heroicamente respiravam.

O Chile é vítima do neoliberalismo desde o início dos anos 70. O preço que o Ditador Pinochet pagou por trair a pátria foi justamente entregá-la de bandeja aos economistas desalmados da Escola de Chicago. Os “Chicago Boys”, nome dado a um grupo de aproximadamente 25 economistas chilenos que formularam a nefasta política econômica da ditadura. Paulo Guedes faz parte dessa mesma escola teórica de fabricar misérias!

O vulcão que entra em erupção no Chile de hoje, são as lavas reprimidas de anos de exploração da classe trabalhadora chilena, que chega a trabalhar 45 horas semanais e tem apenas 15 dias de férias ao ano.
Não são apenas pelos 30 pesos da passagem dos ônibus e metrô – apesar de impactar nos baixos salários dos chilenos- mais de 50% da população vive com menos de um salário mínimo.

A revolta do povo tem a indignação do verso Nerudiano: “é a dor dos que ficaram para trás”.

A luta do hermanos é por ver os seus pais e avós cometendo suicídio, mesmo depois de uma vida inteira de trabalho, a aposentadoria deles não dão conta de SOBREVIVER. Os idosos morrem de desamparo e tristeza. Este é o crime hediondo que se perpetua e é praticado por tiranos como Piñera (atual presidente).

A rebelião chilena se iniciou com os jovens que começaram a pular catracas depois do aumento da passagens de ônibus/metrô e responde uma exaustão que beira ao limite.

Os jovens cansaram da humilhação de viverem marginalizados, não poderem cursar um ensino superior. E quando cursam, são reféns de uma dívida impagável que os adoecem psicologicamente.

O neoliberalismo causa surtos sociais de todas as naturezas! Concentra renda nas mesmas mãos sujas de sangue; mãos, que não pestanejam em asfixiar a sua própria gente para defender os seus podres interesses.

O Chile é o mau exemplo socioeconômico do inferno que Bolsonaro quer para o Brasil. Precisamos “pular as catracas” antes que o terrível metrô do neoliberalismo nos esmague por completo.

O poeta chileno Neruda e a sua sabedoria nos ensina:

“Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou”.

Enquanto Bolsonaro vive o seu desamor e saudosismo dos tempos do inferno, precisamos derrotá-lo sumariamente!

A ditadura do neoliberalismo é um pesadelo real que perdura por gerações! Temos o compromisso histórico de derrotá-la.

Josias Gomes – Deputado Federal (licenciado) do PT/Bahia e atualmente titular da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do NES

COMPARTILHAR
Redação NES
NORDESTeuSOU.com.br, o Portal do Nordeste de Amaralina que tem o Objetivo de desfazer o mito de que a comunidade do Nordeste de Amaralina é dominada pelo crime, divulgando ações de esporte, lazer e entretenimento dentro da comunidade bem como notícias externas que direta ou indiretamente.