[ENEM 2020] Você é a favor ou contra o adiamento das provas?

Inscrições para o Enem começaram na última segura-feira,11, mas um impasse pode tardar o sonho de milhares de estudantes em ingressarem no nível superior de ensino.


Criado em 1998 ainda no governo Fernando Henrique Cardosos (PSDB), como política para avaliar os conhecimentos de alunso do Ensino Médio, o Enem foi transformado na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no maior vestibular do pais.


Porém, os milhares de estudantes do ensino médio que sonham em disputar uma das vagas enfrentarão um desafio extra, este ano: além das disciplinas de matemática e Língua Portuguesa que se tornaram um pesadelo, o grande ‘‘Bicho-papão’’ é a pandemia do novo coronavírus, que traz uma série de incertezas sobre o adiamento das provas, o processo de admissão das universidades e o futuro de milhões de jovens.
O Ministério da Educação (MEC) decidiu por manter o calendário do Enem, com provas marcadas para 1º e 8 de novembro, e nos dias 22 e 29(prova digital). Mas pouca coisa é certa sobre a prova no momento, o que vem fazendo com que uma série de pesquisadores, professores, e alunos passem a defender o adiamento do exame. Com a evolução do coronavírus, não se sabe se até novembro a pandemia terá se dissipado a ponto de a prova ocorrer normalmente.

Neste cenário de indecisões: As provas do Enem 2020 devem ser adiadas?
Eis uma questão que passa pela cabeça de milhares de estudantes do Nordeste de Amaralina, seja com respostas a favor ou contra.
Para Gabriel Leal, 19 anos, as avaliações devem ser prorrogadas, pois o contexto não é favorável. ‘‘O Enem já começou errado em relação às datas, os dois dias de provas coincidem com a prova da UNICAMP e da USP, apesarem de serem provas de vestibulares de São Paulo, muitos alunos fazem os dois vestibulares e o Enem digital caiu no mesmo dia, assim tem um leque de opções menores. Ainda tem o fato dos estudantes de escolas públicas estarem sem aula e o Ministério da Educação(MEC) não interver, tendo em vista que muitos alunos dessa instituição pública mal tem acesso a internet, sem contar os livros que parece uma distopia, pois muitas escolas nem se quer tem livros que é o básico da educação. Ainda se ouvem muitos comentários que “O Brasil não pode parar”, mas a educação está parada há muito tempo, para quem nasceu pobre e estudante de colégio público, a educação deveria ser um direito de todos e cada vez mais caminha para um privilégio de poucos’’, diz o estudante da Santa Cruz que dedica diariamente 4 horas de estudos, a fim de disputar uma vaga no curso de medicina da Universidade Federal da Bahia(UFBa).

De acordo com Felipe Andrade, 22 anos, a prova deve ser mantida para não trazer prejuízos para o Brasil: “Sou contra o adiamento, porque isso irá prejudicar muita gente que depende dos benefícios que o Enem pode trazer. Podem adiar temporariamente até a poeira baixar, porém precisam fazer este ano ainda. Não dá para prejudicar ainda mais o nosso pais, já tem gente demais atrapalhando e impedindo outros de trabalharem. Nem que reduzam o número de pessoas na sala, com as devidas recomendações médicas, o Brasil tem que caminhar’’, comenta o estudante do Nordeste que pleiteia uma vaga no curso de musica na Universidade Federal da Bahia(UFBa).

Conforme o professor de história Alberto Junior, o Brasil passa por um momento ainda mais delicado na educação com a pandemia. E ainda segundo ele, algumas questões devem ser avaliadas: “O Brasil é um país capitalista como diversos outros países do mundo. Quando pontuamos a sociedade capitalista, entendemos a desigualdade social que existe em cada sociedade que tem como base esse sistema. Diante disso, quem tem mais capital possui uma educação melhor. Os alunos das escolas privadas do país, por sua vez, possuem mais chance de adentrar a Universidade em relação aos alunos da escola pública. Sob esse viés, ao considerar a realidade social de pandemia que estamos vivendo, as aulas que deveriam ser presencias, estão sendo on-line. Quem faz parte da rede privada de ensino está tendo acesso a vídeos aulas e possui, ainda, equipamentos tecnológicos que permitem a continuidade da construção do conhecimento. Essa realidade não é a mesma para todos os estudantes no Brasil. Portanto, a realização do Enem no final ano de 2020 caracteriza a indiferença do Ministério da Educação(MEC) frente aos alunos que são desassistidos na sociedade brasileira. O Exame deve ser prorrogado para que os alunos da rede pública tenham tempo hábil para a sua preparação, visto que os mesmos não terão condições de ter êxito na realização da prova se a data atual for mantida’’, analisa o professor atuante há mais cinco anos em instituições das redes públicas e privadas do Nordeste de Amaralina.

COMPARTILHAR
Luis Lago
Amante da Literatura, apaixonado pelas Letras. Discente de Letras Vernáculas e Língua Inglesa, poeta, escritor , blogueiro, professor e Repórter do site NES.